quarta-feira, 30 de novembro de 2011

O mar é muito pra mim


Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.

Texto: Fernando Pessoa
Imagem: Rafiza Varão na Ilha da Madeira

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Livros


Gostaria de saber, disse para si mesmo, o que se passa dentro de um livro quando ele está fechado. É claro que lá dentro só há letras impressas em papel, mas, apesar disso, deve acontecer alguma coisa, porque quando abro, existe ali uma história completa. Lá dentro há pessoas que ainda não conheço, e toda espécie de aventuras, feitos e combates - e muitas vezes há tempestades no mar, ou alguém vai a países e cidades exóticos. Tudo isso, de algum modo, está dentro do livro, é preciso lê-lo para o saber, é claro. Mas antes disso, já está lá dentro. Gostaria de saber como...
A história sem fim, Michael Ende
Imagem: Lissy Laricchia

Vi hoje

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Good News



A imagem Achei aqui: sofuckingheavy.tumblr.com

Perguntas para as quais eu não tenho resposta


Por que meus pés estão sempre fora do chão?
Por que eu sempre pareço flutuar?
Por que o meio amargo me parece tão melhor do que o muito doce?
Por que eu gosto de usar perfumes masculinos?
Por que não me pinto?
Por que sinto mais do que deveria?
Por que não sei mentir?
Por que não sei dizer não?
Por que não escrevo em linha reta?
Por que uso tantas reticências?
Por que não tenho nenhuma coordenação motora à esquerda?
Por que não sou fotogênica?
Por que gosto mais do colorido do que dos tons neutros?
Por que não sou boa com cálculos e números?
Por que tenho sonhos que se sonha sozinho?
Por que não vira realidade?
Por que não leio nas entrelinhas?
Por que leio devagar?
Por que gosto tanto de filmes dramáticos?
Por que o não convencional é que me chama atenção?
Por que sou tão tímida?
Por que tão próximo ao meu aniversário?
Por que no dia do meu aniversário?
Por que esperei tanto tempo?
Por que começou em outubro?
Por que me importo com datas?
Por que tenho medo?
Por que acredito?
Por que me pergunto?
Por que não sei as respostas!
Texto: Wandréa Marcinoni
Dúvidas: Wandréa Marcinoni
Imagem: Desconheço a autoria

sábado, 26 de novembro de 2011

Dicionário médico S/A


A arte é de Susana Gomes e Raquel Graça
Achei no Don't touch my moleskine
Clique na imagem para ampliar

Temperos



Na cozinha, em um local branco e estreito, originalmente usado para sobrepor garrafas de vinho, ela guardava um mini vidro de geleia Queensberry sem geleia. Dentro dele uma mistura de temperos com pimenta, sal e limão.
Intuitiva ela se vê a furtar uma pequena porção pra saborear devagar...como se estivesse a burlar as regras e a executar uma atividade ilegal.
Nessa horas, lembra da eterna mania da irmã de tomar um pitada de sal e jogar sobre os ombros...
Então ela pensa no quanto os sabores e perfumes povoam suas memórias...
Pra cada coisa uma medida...um apertar...um meio sorriso...ou uma falta de tempo...
Fato certo é que ela nunca deixa de olhar...por cima...por baixo e por todos os lados...
Afinal, olhar faz todo sentido.
Texto: Wandréa Marcinoni
Imagem: Shiori Matsumoto

Lar doce lar


O que há de maravilhoso numa casa não é ela abrigar-nos, nem aquecer-nos, nem nós possuirmos as suas paredes; o que é maravilhoso é ela ter depositado em nós estas provisões de doçura, é ela formar, no fundo do nosso coração, este maciço obscuro, donde brotam, como águas de uma fonte, os sonhos…
Texto: Saint-Exupéry( Terra dos Homens)

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Hoje pareceu mais forte do que nunca


Minha casa sai em janeiro.
Ao menos é assim a minha esperança e expectativa.
Hoje, no caminho pra agência pensei em tudo que passou, em como as coisas chegaram até aqui, nos planos, nas malas, paredes, fotos, sonhos, portas fechadas...e na minha decisão...
Naquela época tentava olhar pra frente, mas sempre que tentava havia uma névoa que impedia de enxergar.
Fui tateando, tentando entender, vasculhando dentro de mim onde havia um restinho de força.
Contei 27 dias e noites...não olhei pela janela...não quis ver as estrelas e a lua...estive bem perto dos que amam incondicionalmente...mas não havia a meu ver possibilidade de escolha.
E por mim... por mim e por eles tratei os papéis com uma certeza bem frágil...mas com a única certeza que eu possuía...perdi anéis...perdi um tanto daquela garota de antes...perdi aquele sonho de infância...vi cacos...pequenos pedaços de vidro...coisas pelo chão...me amparei no abraço de pai...tentei levantar tantas vezes...mas estava tonta, desnorteada e sem rumo...
O tempo...senhor da razão...foi abrandando a tempestade...foi melhorando minha visão...me deu pernas...consegui caminhar...bem devagar...
Hoje...amanheceu com chuva...fui enfrentar algumas batalhas antes da grande final...queria mais tempo...queria pensar...não partilhei com ninguém...pois são meus sonhos...meus e dos meus...e agora está quase no fim...
O que eu espero...é apenas o nosso cantinho...aquele no qual partilharemos o amor que já é forte...aquele em que prevalece o carinho...aquele onde abraços e sorrisos são o que importa...aquele com cama quentinha e afeto sem fim...aquele onde há a família...razão da minha vida...
Ainda não sei ao certo se tudo passou...mas o dia de hoje...eu posso chamar do primeiro dia do resto das nossas vidas.

Texto: Wandréa Marcinoni
Dedicado unicamente a: Pedro e Gabriel
Intenções de: Futuro feliz
Sentimento: Amor incondicional
Imagem: Arquivo pessoal
Clique na imagem pra ver a família buscapé de perto

Pintura


Saberás que não te amo e que te amo
posto que de dois modos é a vida,
a palavra é uma asa do silêncio,
o fogo tem uma metade de frio.

Eu te amo para começar a amar-te,
para recomeçar o infinito
e para não deixar de amar-te nunca:
por isso não te amo ainda.

Te amo e não te amo como se tivesse
em minhas mãos as chaves da fortuna
e um incerto destino desafortunado.

Meu amor tem duas vidas para amar-te. Por isso te amo quando não te amo e por isso te amo quando te amo.

Texto: Pablo Neruda
Imagem: Arquivo pessoal

É quase janeiro...mas não parece estar próximo


...“Podes me tirar a compreensão,
o perdão, os ossos contados como dias nas paredes da carne...
Podes me tirar o egoísmo e a paixão,
a cultura que adquiri às pressas,
a serenidade para julgar, a severidade do combate...
Podes me tirar as metáforas, a fuga, minha saída do sangue.
Podes me tirar os excessos do mínimo,
o idioma, meu receio de ficar sozinho...
Podes me tirar o colo, a sesta, a audição das escadas...
Podes me tirar o desejo e pôr a inquietação em seu lugar...
Podes me tirar a liberdade
que confundi com justiça
porque nenhuma das duas se conheceu a tempo...
Não há castigo infinito. Não há dor infinita.
Um dia a gente termina para começar,
começa para terminar,
refaz o percurso como se nada tivesse acontecido antes...
Deixe-me apenas uma cadeira de palha, amarela...
para olhar com piedade
o que fui...
e me deslumbrar com as ruínas"...
Carpinejar.

Ouvindo agora



A imagem achei aqui: found.com

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Ouvindo agora...essa que amo



Imagem: Ann Mei

Diariamente


Todos os dias, logo cedo dou uma piscadinha para Deus e peço: Tomara que as nossas vontades coincidam. E se não coincidirem, que a Sua prevaleça.
Texto: Caio Fernando Abreu
Imagem: Nicoletta Ceccoli

Tatuagem



Monciane tinha uma grande cicatriz no abdome inferior.
Quando olhava no espelho suas lágrimas vertiam por causa da lembrança...
Um dia ela resolveu cobrir a cicatriz com tinta preta.
Hoje quando se olha no espelho...e só vê as cores escuras...pensa que seria mais fácil se o tempo pudesse voltar...
Texto: Wandréa Marcinoni
Imagem: Marina Bychkova

Fogos de artifício


Façamos um pacto: deixe todos os seus planos de lado, induza-me ao erro mais de uma vez, deleite-se nas mesmas quimeras de antes, fale o que vier à cabeça, fale do improvável, do inexequível, do contestável e impopular, carregue-me nos braços, me encante como no começo, esquente meus pés, diga-me palavras descabíveis, anteceda-se, torne-se o outro...aquele que você nunca foi. Eu, da minha parte te recito poemas, te compro livros que nada têm a ver com você, te levo na cama um chá, os jornais do dia e as minhas interrogações. Enquanto isso...você faz cara de paisagem e diz que me ama...como só acontece nos filmes que gosto de ver. Depois...você esquenta a cama e comigo faz amor...muitas vezes e como se fosse pra vida inteira...
Texto: Wandréa Marcinoni
Imagem: Andy Barter

Pensamentos apenas


...Por ti tento acender
Outra luz em nossa casa
Lembro que sempre sonhei
Viver de amor e palavra...

Composição: Paralamas do Sucesso
Imagem: Michael Shapcott

Daquilo que não sei o nome


“Eu olhava esse menino, com um prazer de companhia, como nunca por ninguém eu não tinha sentido. Achava que ele era muito diferente, gostei daquelas finas feições, a voz mesma, muito leve, muito aprazível. Porque ele falava sem mudança, nem intenção, sem sobêjo de esforço, fazia de conversar uma conversinha adulta e antiga. Fui recebendo em mim um desejo que ele não fosse mais embora, mas ficasse, sobre as horas, e assim como estava sendo, sem parolagem miúda, sem brincadeira— só meu companheiro amigo desconhecido.[...] Mas eu aguentei o aque do olhar dele. Aqueles olhos então foram ficando bons, retomando brilho. E o menino pôs a mão na minha. Encostava e ficava fazendo parte melhor da minha pele, no profundo, desse as minhas carnes alguma coisa. “
Texto: João Guimarães Rosa
Imagem: Evgenija Gapchinskaja

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Noite alta...madrugada...


Ruas quase desertas, luzes amarelas, o silêncio da noite, o burburinho em algumas calçadas, as pessoas em bares, os sorrisos, o partilhar, estar junto e sozinho, os que fazem valer o momento, os que desistem antes de tentar, aqueles que fumam, os que pigarreiam, os que cantam ou dançam, os que tentam o amor, os que escolhem, os que fazem pouco caso, os que intencionam, prendem, malogram, os que titubeiam, os passos dos bêbados, o sono dos sem teto, o frio, o vento, o brilho, a escuridão, o prato farto, a fome de amor, a solidão, a ausência...criaturas da noite, andando como sombras no asfalto da vida.
Texto: Wandréa Marcinoni
Imagem: Ann Mei

Listen


Adele e Someone like you: combinação perfeita

Inspirador

Minha idade


'Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver
daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquela
menina que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ela
chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados.
Não tolero gabolices. Inquieto-me com invejosos tentando destruir
quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

Já não tenho tempo para projetos megalomaníacos.
Não participarei de conferências que estabelecem prazos fixos
para reverter a miséria do mundo. Não quero que me convidem
para eventos de um fim de semana com a proposta de abalar o milênio.

Já não tenho tempo para reuniões intermináveis para discutir
estatutos, normas, procedimentos e regimentos internos.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas,
que apesar da idade cronológica, são imaturos.

Não quero ver os ponteiros do relógio avançando em reuniões
de 'confrontação', onde 'tiramos fatos a limpo'.
Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo
majestoso cargo de secretário geral do coral.
Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou: 'as pessoas
não debatem conteúdos, apenas os rótulos'.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a
essência, minha alma tem pressa...
Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente
humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta
com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não
foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos lizados,
e deseja tão somente andar ao lado do que é justo.
Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse
amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo.'

O essencial faz a vida valer a pena.

Texto: Rubem Alves
Imagens: Ariel Pang

Acordando espontaneamente

Mais um pouco de beleza




Tirei daqui: http://inventariodetiposhumanos.tumblr.com/

Manias e afins


1-Lavar os cabelos todos os dias
2-Ouvir música sempre e em todos os momentos possíveis( a vida tem que ter trilha sonora)
3-Tomar café enquanto escrevo
4-Planejar festas e datas
5-Dar presentes sem que a ocasião necessariamente peça
6-Pensar em voz alta
7-Medo de barata e insetos
8-Chorar com cenas dramáticas
9-Me enfurnar em livrarias sempre que possível e depois empilhar livros...(leio muito devagar)
10-Competir com meus amigos por cateterismos fast play
11-Caixinhas de música, bonecas japonesas, matrioskas e afins
12-Falar maneiro, putz, saquei e curti
13-Usar sempre as mesmas expressões em diferentes ocasiões...tais como: "Assim como são as pessoas são as criaturas", "Não sejamos tão radicais ficando no meio termo", "Rapadura é doce, mas não é mole não" e "Das pessoas que eu conheço, você é uma delas"
14-Saber andar bem na Asa Sul e sempre me perder na Asa Norte
15-Não entender as "tesourinhas" de Brasília
16- Chegar antes da hora
17-Acordar cedo e dormir nem tanto
Depois quando eu lembrar de mais eu completo...
Texto: Wandréa Marcinoni
Imagem: Arquivo pessoal

Pra começar bem em um dia de sol



Imagem: Arquivo pessoal

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Para Dani


A magia da vida, o verdadeiro sentido dela...está nos momentos bem vividos, nos instantes de maior simplicidade, nos sorrisos incontidos, no pé na areia, no olhar o mar, na doação, no choro de felicidade, na chuva e sol, nas caminhadas, no compartilhar. O que se leva dela é só o que realmente faz valer a pena...o que somos por dentro, por debaixo de todas as capas, máscaras, escudos e infinitas proteções que nos impomos pra tentar não sofrer...
O que eu levo pra mim...são vocês que estão sempre no meu coração...aqueles que gostam por gostar...aqueles que cuidam e dedicam...aqueles que são...meus poucos e bons amigos...
Texto: Wandréa Marcinoni
Imagem: Arquivo pessoal

Acordei ouvindo essa



Imagem: Arquivo pessoal

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Eu e tantos outros


Sou um móbile solto no furacão...

Paulinho Moska
Imagem: arquivo pessoal

Vida inteligente

Show





Achei no Don't touch my moleskine que tirou daqui: http://inventariodetiposhumanos.tumblr.com/
Clique nas imagens para ampliar

Ela sem o girassol


Ela queria dar sentido às palavras...
Obviamente os sentidos mais estranhos...
Sem pé nem cabeça...sem conjugações...
Pensava por exemplo em factoide...e o que vinha era fato isolado, fato pequeno, insignificante ou quem sabe algo que sobrevoasse sua cabeça como um asteroide...corria para o dicionário e percebia que em sentido literal se tratava de uma fato divulgado de modo sensacionalista pela imprensa... o que fazia seu sorriso sumir...total falta de criatividade...
Voltava desiludida para o canto do quarto...sempre a perguntar: cadê a diferença, cadê a intensidade...cadê eu?
Passou então a pensar em nuvens...cumulus, nimbos e o que estivesse no céu...e na sombra que fazia tentava em vão distorcê-las e mudar-lhes as formas que era pra enxergar melhor.
Teimou em misturar palavra e música...coisa que pra ela fazia todo sentido...
Mas um dia percebeu que isso trazia um fardo...porque pensar e distorcer...criar motivos e desaguar no mar não era o suficiente...
Ela precisava...montar no seu pequeno mundinho o castelo com janela pro jardim...com paredes de vidro ou teto solar...com janelas bem grandes...com luz natural...rede na varanda e um pequeno girassol...
Sim...um pequeno girassol...pois que sem ele ela é só uma garota só...
Texto: Wandréa Marcinoni
Imagem: Brooke Shaden

O valor das coisas


Clique na imagem para ampliar

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Pink


O meu amor por você é inédito. Novo e maduro – como pode? Penso, sinto e quero você. Hoje, amanhã e na medida sem fim do tempo. Quando estou em silêncio e lembro que você existe eu sinto paz. Suspiro aliviada.
Quero vestir o seu abraço e sair com ele por aí, como um colete à prova de balas. Abraço longo, apertado, quente. Quero mais, me abrace mais. Mais um pouquinho. Vai sempre faltar abraço pra minha sede dele.
Sei que dentro de você moram sorrisos. Alguns você deixa escapar, os outros esconde no escuro, pra eu procurar. E eu gosto do jogo.
Gosto também das suas mãos nas minhas, das suas mãos tomando conta de mim. Não quero viver sem suas mãos por perto. Não sei aprender isso. É que esse meu amor inédito parece que nasceu junto comigo.
Texto: Cristiana Guerra
Tirinha: Liniers

domingo, 13 de novembro de 2011

A vida é mais bonita lá fora



Tirinha: Liniers

Microtextos


"Amar é mudar a alma de casa"
Mário Quintana
Imagem: Benjamim Lacombe

A janela e os pássaros


Quando cheguei perto de ti...esqueci que tudo é assim...
Cheguei porque era à tarde...por causa das poesias...dos livros e letras...da história...das cartas... da proteção...da família...do cuidado...
A poesia em primeira página...as fotos no celular...a continuidade que não veio...
A intenção do afastamento...firmemente estampada alternando com a visão cor-de-rosa e borrada( preferível pra mim )... boba tentativa de blindar sentimentos fadada ao fracasso antes do primeiro ato...
O dia em que pensei tentar...o mesmo em que decidi desistir...
Não foi a última vez...não foi um até breve...não foi nada...foi tudo...foi luto ...foi o avesso...foi estar fora do ar e não pisar no chão....
No dia em que parti, tinha as pernas trêmulas, a maquiagem borrada, a ausência, a desesperança e novamente uma tarde...que talvez não existisse...que talvez nunca se fizesse tarde se eu não fosse quem eu sou....e se eu nunca estivesse estado em sua sala ouvindo porcos com asas...
Texto: Wandréa Marcinoni
Imagem: Holly Clifton Brown