sexta-feira, 17 de julho de 2015

A saga de Frida por Yuyi Morales








Da felicidade

E aí você está num momento da vida pessoal assim, de entressafra. De não saber o que vai ser. Os 45 anos chegando, volta e meia você se acha um ET. E aí um belo dia você ri com os amigos num final de dia de trabalho – e as risadas fazem cada segundo ter peso 10, recarregando você com pilha Duracell, pra ajudar a dar conta da rapidez e das exigências da vida. E aí você se lembra que mais risadas e mais amigos aparecem sempre, e surpreendem com um abraço forte para depois lhe pousar um olhar de “você não está só”. E aí uma amiga que você viu uma vez só na vida, mas que ficou no coração pra sempre, te manda lá de longe um playlist das mais lindas e delicadas. Quase três horas de músicas escolhidas por uma alma que conhece a sua. E você coloca o fone de ouvido, escreve de um jeito diferente, sorri por qualquer bobagem e entende que a vida é esse pedacinho de felicidade que chega como quem não quer nada e vai embora à francesa. Feita pra quem sabe reconhecer e aproveitar.
Cris Guerra- Amor e ponto
Imagem: Sandra Vargas

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Do apaixonar-se

Um dia, eu e essa pessoa desconhecida vamos nos encontrar por algum motivo, e uma intuição talvez nos diga que chegamos à vida um do outro. Eu não acredito sempre nisso. Mas não posso deixar de estar atenta. De todo modo sou assim mesmo: fico atenta a toda gente. Gosto de olhar discretamente. Confesso.
Imagino a vida dos outros. Não é por cobiça. É por vontade que dê certo. Por exemplo, vejo alguém sem cabelo e invento que há gente que só gosta de homens carecas, para que ser careca seja uma vantagem ou, pelo menos, desvantagem nenhuma.
Acho que invento a felicidade para compor todas as coisas  e não haver preocupações desnecessárias. E inventar algo bom é melhor do que aceitarmos como definitiva uma realidade má qualquer. A felicidade também é estarmos preocupados só com aquilo que é importante. O importante é desenvolvermos coisas boas, das de pensar, sentir ou fazer.
Texo: Walter Hugo Mãe
Imagem: Maísa Coutinho

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Frida

"Eu vou mal e irei pior ainda, mas aprendo pouco a pouco a ser só, e isso já é alguma coisa, uma vantagem, um pequeno triunfo."
 Frida Kahlo
Foto: Alexandra Liedtke 

Da desesperança


A esperança parece inventada pela espera. Eu não sei esperar. Todos os dias me assusta não ter esperança. Quero muito ter. A minha mãe manda fazer um esforço. Ela diz: acredite, sempre. Eu acredito, só não estou certa de saber ficar à espera. Quando for maior vou seguramente melhorar nesse desafio.
Texto: Walter Hugo Mãe
Imagem: Maísa Coutinho

O paraíso são os outros

As pessoas que amam estão sempre com um ar de urgência, porque elas têm saudade quando não estão acompanhadas e sentem uma euforia bonita quando estão juntas.
Eu acho que as pessoas apaixonadas sentem saudade mesmo quando estão juntas, porque ficam sempre a olhar umas para as outras pasmadas como se fosse a primeira vez. Até como se fosse a primeira vez que vissem sapos, neve, cataratas, aqueles peixes voadores, jacarés, prédios de trinta andares ou o Miguel a enrolar os olhos.
Texto: Walter Hugo Mãe
Imagem: Maísa Coutinho