segunda-feira, 7 de maio de 2012

Vida longa


Eu, embora procure esconder em muitas ocasiões, sei perfeitamente o que se passou na sua cabeça.
Desde o primeiro encontro até a tarde daquele dia, eu sei.
Mas eis que a gente fazia planos e eis que a gente se perdeu no meio deles. Alternamos algumas voltas e sempre era você que dizia quando. Eu, com o mesmo pensamento de antes, achava que te ver era o melhor.
Era um sábado, fazia sol, adiei mil compromissos e ouvi nossa música no carro. O esforço valeu não pela falta de palavras, mas pelo excesso de sentimento. Você falou da vida longa, da ajuda, da familiaridade, da manutenção e de algumas coisas bobas que eu nem lembro mais.
Eu, que não esqueci disse um até breve. Este breve que nunca veio, porque você é assim: algo entre um instante e outro, algo entre o tempo/matéria, algo entre a ilusão e a realidade, algo entre mim e quem eu pensei que eu fosse.

Texto: Wandréa Marcinoni
Em tempos de calmaria
Em horas que a noite vem
No tempo de te esquecer

Nenhum comentário:

Postar um comentário