sexta-feira, 4 de maio de 2012

Da suindara


Há muito tempo atrás, eu tinha uma amiga que me chamava corujinha. Tudo por culpa das minhas olheiras genético/atópicas que sempre dão uma piorada em períodos específicos como o pós plantão. Apesar de não cultivá-las com carinho, sempre se pode suavizar as coisas com poesia.

“Que mesmo como coruja era – mas da orelhuda,
mais mor, de tristes gargalhadas;porque a suindara é tão linda,
nela tudo é cor que nem tem comparação nenhuma,
por cima de riscas sedas de brancura.”

Texto: Guimarães Rosa
Imagem: Adolie Day

Nenhum comentário:

Postar um comentário