terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Love you

Rafa hoje me mandou dois links que adorei. Uma fotografia do Woody Allen tocando clarinete em um bar em Nova Iorque e o post abaixo de um blog que ela já havia me mostrado outras vezes e que eu adoro. Na verdade quando me mandou acho que lembrou da gente, daquelas memórias que a gente guarda bem guardadinhas e que quando lembra dá vontade de ser feliz de novo. Desde o taxista italiano, desde que pegamos o trem. Foi feliz ficar em hotel de beira de estrada. Foi divertido procurar no google maps caminhos mais fáceis, foi divertido andar o dia inteiro sem perceber e pensar que faríamos o mesmo mil vezes e melhor. Que bom que agora a gente pode falar disso de novo. Love you chuchu.

Três carros explodiram aqui na rua em uma dessas noites. Um, dois, três. Um deles continua estacionado, só a carcaça. Pela janela, vimos homens de quipá observando a cena sem saber o que fazer e um negão berrando “own, I’m gonna put it on YouTube” a cada nova explosão.

Em uma das estações de metrô, um banheiro foi transformado em banquinha de revista. Vende fofocas, m&m. Ninguém se importou em tirar a plaquinha do banheiro. No Museu de História Natural, vi uma japonesa abrir uma marmita quente e tudo, cheirando a curry, e almoçar em um banco na frente da sala dos dinossauros. Ninguém fez mais do que olhar procurando o cheiro.

Fora nas portas e tal, não vi nenhum segurança espreitando os visitantes do museu como se a qualquer momento fôssemos nos atirar em dos índios do acervo ou raspar uma árvore centenária com um estilete.

Essa falta de instindo de auto-preservação e de qualquer tipo de perfeccionismo que a cidade parece ter me emociona um pouco. No Brasil sinto que estamos sempre preocupados se a visita vai derrubar café no sofá que, no fim das contas, compramos apenas para impressioná-la.


Texto: Juliana Cunha

Nenhum comentário:

Postar um comentário