domingo, 14 de agosto de 2011

Programa de domingo




Hoje a pergunta era: o que fazer em uma manhã de domingo, com um lindo sol lá fora, entre o acordar mais tarde e chegar ao plantão às 13:00 horas( o que para mim significa às 12:30)?
Depois de fuçar na internet me deparei com duas coisas legais:
1-A exposição sobre o naufrágio mais famoso do mundo( sim...o naufrágio do Titanic)
2-Na página do correioweb...a exposição saía por meia-entrada para os assinantes( categoria na qual me enquadro).
Bom, opção feita, houve apenas um porém: as "benditas" facilidades da internet se transformaram em uma dificuldade tamanha na hora de conseguir imprimir o cupom, que sabe-se lá por qual motivo nefasto, não abria. Devia ser algo relacionado à minha amiga sempre presente: a Lady Murphy. Após telefonar para a central de relacionamento ainda assim persistia o problema. Fato é que enfim acabei por imprimir foi a página inteira...e pernas ou rodas pra que te quero, afinal agora me restava pouco tempo para o HPAP. Cheguei ao meu destino às 11:30. Estacionamento vazio...gratuito...pertinho, enfim, tudo de bom.
Vamos à minha impressão pessoal: na verdade, achei que a exposição seria legal, mas confesso que me surpreendi...foi mais que interessante.Ao chegar estamos prontos para a viagem... recebemos um passaporte para embarcar no Titanic, onde consta o nome de um personagem da história da embarcação, a classe em que viajava, sua origem e um pequeno resumo da sua vida. Ao final da exposição há uma grande lista onde teremos que descobrir se o nosso personagem foi um dos 700 e poucos sobreviventes ou um dos 1500 e muitos que passaram desta para a melhor( fazendo bom uso do eufemismo).
Dos objetos resgatados muitos estão em perfeitíssimo estado apesar de terem sido encontrados 73 anos depois do naufrágio. A maioria dos pertences encontrados estavam dentro de objetos de couro como carteiras e malas que formaram como que uma couraça protetora. Observa-se na exposição também uma grande diferença entre os artefatos da primeira classe em relação às outras. As louças( centenas delas ) foram encontradas intactas na areia do fundo do oceano, praticamente como estavam no interior de armários que se deterioraram com o passar do tempo. As fotos expostas mostram como os objetos foram encontrados. Há ainda pequenas biografias com fotos de pessoas que se encontravam à bordo e ao lado pertences dos mesmos. Há relatos bem interessantes como o caso da dona da conhecidíssima loja Macy's em Nova York que teve a possibilidade de embarcar em um bote e ser resgatada, mas que preferiu ficar, pois seu marido não conseguiu se salvar. A exposição é feita em homenagem à última sobrevivente do naufrágio Millvina Dean, que morreu recentemente em 31 de maio de 2009, aos 97 anos.


OBS: antes que me esqueça...eu era a Sra. Esther Ada Hart (n.s. Bloomfield)...embarquei no bote salva vidas número 14. Meu marido o Sr. Benjamin Hart infelizmente veio a falecer(TRAGÉDIA!!!!!)
Texto: Wandréa Marcinoni
Imagens: Arquivo pessoal

Um comentário:

  1. Puxa vida... eu só queria um domingo de sol!!!
    Near, far, wherever you are...!!!

    ResponderExcluir