domingo, 15 de maio de 2011

Água turva


Houve uma certa relutância da parte dela em colocar o ponto final em tudo aquilo. Parecia que o fato de cultivar a lembrança o manteria por perto. Guardava mesmo uma pequena esperança de que enfim seus desejos como que por encanto do pó se transformassem em muralhas e castelos...com ela saindo ilesa após o terremoto. O tempo foi passando...e ele é senhor da razão...mostra que algumas vezes...por mais que tenhamos certeza do que sentimos...não basta sentir sozinho. Na verdade...ela nunca saberá das reais circunstâncias e fatos que levaram a tudo isso. Não está certa nem ao menos de que seja a real culpada. Guarda questionamentos inúteis...perguntas sem respostas...pensamentos diários que vinha cultivando. Ela acha que eles permanecerão em sua cabeça por longo tempo...mas desistiu de sofrer...e por isso tirou toda e qualquer lembrança material de sua frente...embora saiba que o conteúdo cravado no coração e mente requer um esforço maior...mas há a inquestionável necessidade de reconstrução...e essa...precisa vir em algum momento...e para ela...esse momento deve ser agora.
Texto: Wandréa Marcinoni
Imagem: Lisa Evans

Nenhum comentário:

Postar um comentário