sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Concretismo absoluto



Acho que ouvi algo assim...como o tilintar de algum sinos...como o rufar dos tambores...mas eis que em tal momento fui um tanto frágil...porque este é meu dom: imaginar...sonhar...acreditar...tecer grandes colchas com retalhos infindos...provar bebidas amargas...deixar os doces para pequenas degustações...ser ingênua...falar de ternura...sonhar o impossível. Sou capaz...dona das minhas ações...cheia de pequenos trejeitos...mãos trêmulas e sensações fatigáveis... formigamentos...tonturas...vertigens...ausências...procuro ser crédula...e imaginar...que seria assim no paraíso...mas no real...e concreto momento...me torno descrédula e passo a tecer comentários sobre a existência e a humanidade...estilo filosofia barata de botequim...isso tudo me parece mais difícil do que realmente é...
Texto: Wandréa Marcinoni

Nenhum comentário:

Postar um comentário