quarta-feira, 12 de agosto de 2015

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Lido

Lá fora tudo é silêncio
Aqui dentro também
Olhares que não se cruzam
Palavra que não se fala
Sentimento perdido no tempo
Tempo perdido no espaço
Meu passo que é descaminho
Minha memória desgastada
Minha lágrima que rola
Meus sonhos repetidos
Meu desalinho
Você sonho perdido
Você apego desmedido
A voz calou
Não te ouço mais
Faz o teu jogo na mesa
Eu saio
Me esqueces e não me vê
Não me ouve mais
Quero voltar a ser eu pra você
Mas não dá
Texto: Wandréa Marcinoni
Imagem: Arquivo pessoal

A gente

A gente carece de fingir às vezes que raiva tem, mas raiva mesma nunca se deve de tolerar ter. Porque, quando se curte raiva de alguém, é a mesma coisa que se autorizar que essa própria pessoa passe durante o tempo governando a idéia e o sentir da gente; o que isso era falta de soberania, e farta bobice, e fato é
Texto: Guimarães Rosa
Imagem: Maísa Coutinho