sexta-feira, 22 de julho de 2011

Inconcreto


Ontem, a noite passou com horas a mais.
Ela as contava em regressão e devagar.
Chegava ao start...sem fala...sem concreto...sem palpável.
Apenas a névoa cinzenta...com as luzes piscando.
Olhar ofuscado...sentido confundido.
Nada mais fácil do que palavras. Nada mais difícil do que dizê-las.
Palavras mostram tudo...ou até mesmo nada.
Palavras soltas ao vento são como barco à deriva...
Perdido...incólume...cheio...cheio do vazio.
Texto: Wandréa Marcinoni
Imagem: Ai Shinohara

Nenhum comentário:

Postar um comentário