quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Um pouco de filosofia


O mito da caverna- Platão
O mito da caverna narrado por Platão no livro A República, reflete a idéia de que havia uma caverna separada do mundo exterior por um muro bem alto. Havia uma fresta entre o muro e a caverna que permitia a passagem de um feixe de luz de modo que seu interior era quase que totalmente escuro. Os homens que ali viviam desde o nascimento, geração após geração, permaneciam acorrentados, de costas para a entrada e não podiam se movimentar, nem mesmo a cabeça, de modo que estavam obrigados a visualizar apenas a parede do fundo da caverna, não tendo qualquer visão do mundo exterior. Sem nunca olhar para si ou para aqueles que ali viviam e sem qualquer possibilidade de observar o mundo externo, permaneciam ali inertes. Abaixo do muro, no lado de dentro da caverna havia uma fogueira que fazia com que as coisas que ocorriam do lado de fora fossem projetados como sombras na parede do fundo. As pessoas do lado de fora conversavam e se movimentavam e por vezes carregavam imagens de homens e objetos, que por sua vez também eram projetados para o interior. Aqueles que viviam na caverna julgavam que as sombras e as falas que percebiam dia a dia eram as próprias coisas externas ou seja a realidade.
Entretanto um dos prisioneiros, inconformado com aquela situação, fabrica um instrumento, quebra as correntes e decide abandonar a caverna. enfrenta inúmeros obstáculos, passa por um caminho íngrime e difícil e consegue abandoná-la. A luz no mundo exterior o cega de imediato e as dores tomam conta do seu corpo, não acostumado ao movimento. Aos poucos seus olhos se habituam à luz e ele descobre que durante toda a sua vida esteve preso e o que vira não condizia com o que sua visão percebia agora, ou seja, passara toda a sua existência em meio às sombras. O seu desejo é nunca mais retornar à caverna, mas dentro de si há o inconformismo com a permanência dos demais prisioneiros naquele mundo. Toma então a decisão do retorno com a intenção de mostrar a todos a verdade. Ao retornar e contar o que havia visto, a única reação que ouve é a de zombaria, não acreditam nele e por fim há a agressão física que o leva à morte. Mas alguém pode tê-lo ouvido e pode enfim querer também abandonar a caverna e enxergar a realidade com seus próprios olhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário